05 novembro 2013

Resenha: Os cães nunca deixam de amar.

"A emocionante história de uma advogada, seu cão adorável e um diagnóstico devastador. Namorado novo, casa nova. Teresa Rhyne está tentando reestruturar a sua vida depois de dois casamentos fracassados. Porém, pouco tempo depois de ter adotado Seamus, um beagle totalmente incorrigível, os veterinários atestam que o cãozinho tem um tumor maligno e menos de um ano de vida. O diagnóstico deixa Teresa devastada, mas ela decide lutar e aprender tudo que está ao seu alcance sobre o melhor tratamento para Seamus. A bem-sucedida advogada não tinha como saber, naquele momento, que estava se preparando para o próximo grande obstáculo de sua vida: um diagnóstico de câncer de mama."
~*~*~*~
Os Cães Nunca Deixam de Amar é sobre um beagle endiabrado... se bem que todo beagle é endiabrado por natureza, pensa numa raça que sempre está caçando jeito de aprontar, é o beagle!
É um livro de fácil leitura e agradável
Apesar da capa e o titulo sugerir que o livro seja sobre o cachorro, não é. O titulo original é “O Cachorro Sobreviveu (Então Eu Também...)” e conta a história de superação tanto de Teresa (a autora) e seu cãozinho lindo e arteiro (como todo beagle) Seamus.
No começo eu achei ela meio tola, principalmente quando ela escrevia como se pudesse adivinhar os pensamentos de Seamus, mas refletindo bem e do que posso dizer da minha convivência com um beagle, a Pitty, as vezes é como se as expressões que ela faz realmente expressasse os pensamentos dela. 

Conforme eu ia lendo cada vez mais eu identificava um trejeito da Pitty no Seamus e isso me motivou a continuar lendo até que cheguei na (como a autora mesmo diz) odisseia contra o câncer. 
Gostei como ela aprendeu a ter uma visão mais otimista e do jeito meio sarcástico dela.
 


Um comentário:

  1. Querida, se você não escrever, ninguém vai ler. E eu quero ler.
    Gostei do livro, a história é bem emocionante, melhor que o Marley até (achei meio bocó, saca?).

    A gente deve entender nossa família, mas não precisa se submeter a ela. Eu amo a minha família, mas não quero mais ser manipulada como eu fui. Ela não tem culpa, mas não posso deixar a situação como está.
    No trampo dizem que eu não sou feminina. Mas o povo lá é tão artificial... Sei lá, obcecado por academia, maquiagem. Meu cabelo é uma bagunça. E não ligo pra isso. Eu quero trabalhar, e eu já chamo a atenção toda desarrumada.

    Saudades amor

    ResponderExcluir

Postagens mais visitadas

Postagem em destaque

O Famoso "Como Ganhar Dinheiro na Internet"

Navegando pelo Pinterest sempre me deparo com post do tipo: "X formas de ganhar R$ 1.***,** na Internet" , "Ganhe dinheiro ...

Atualizações do Instagram

google.com, pub-2229770814747508, DIRECT, f08c47fec0942fa0